Aprendi a linguagem! Será que posso dizer que sou um programador?

Pare e pense na pergunta. Não desça a página ainda… O que você acha?

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

A resposta é “Não!”

Quando você olha para as estantes de livros sobre “programação” em qualquer livraria, você verá um monte de livros que prometem te tranformar em um programador em 21 dia ou até mais rápido. Alguns até se gabam de que você não precisa saber de nada. Depois de ter passado por essa primeira impressão do curso, no entanto, você agora sabe que nenhuma dessas abordagens pode criar um entendimento sólido sobre programação.

Adquirir habilidades mecânicas de programação – isto é, aprender como escrever instruções ou expressões que o computador entende, saber quais funções estão disponíveis nas bibliotecas, e atividades similares a estas – não te ajudam muito com a programação de verdade. É como dizer a uma criança de 10 anos de idade que sabe driblar que ela já pode jogar num time de futebol profissional. É como dizer que memorizar mil palavras de um dicionário e algumas regras de gramática te ensina uma língua estrangeira.

Programação do jeito certo é muito mais que as mecânicas de se aprender uma linguagem. É sobre ler declarações de problemas e extrair os conceitos importantes. É sobre explorar exemplos para fortalecer seu entendimento intuitivo do problema. É sobre organizar o conhecimento, e é sobre ter conhecimento sobre o que você ainda não sabe. É sobre preencher aquelas últimas lacunas que faltam. É sobre ter certeza que você sabe como e porque seu código funciona, e isso implica em poder transmitir este conhecimento para todos os futuros leitores do seu código. Em resumo, programação do jeito certo é sobre resolver problemas sistematicamente e transmitir as ideias para dentro do código.

O resto deste livro (e deste curso) é sobre essas coisas; muito pouco do conteúdo é sobre as mecânicas do DrRacket. O livro te mostra como bons programadores pensam sobre os problemas. E, prometemos, você vai até mesmo aprender a perceber que essa maneira de resolver problemas se aplica a outras situações da vida, por exemplo, no trabalho de médicos e jornalistas, advogados e engenheiros, ou de mecânicos de carros e fotógrafos.

Ah, e falando nisso, o resto do livro usa um tom que é mais apropriado a um texto sério do que este prólogo. Divirtam-se!

Fonte: http://www.ccs.neu.edu/home/matthias/HtDP2e/part_prologue.html#%28part._sec~3anot%29

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s